sexta-feira, fevereiro 20, 2009

A Banda Louca do Paulão



O texto foi postado por Marçal Santos. Assinado por Paulão. Tópico da Comunidade do Orkut "GRÊMIO', com o endereço no final.
O nosso partido nessa ronha é a paz e a união.
Muitas vezes o conceito é uma coisa e a prática é outra. Geralmente, as desavenças decorrem da sobreposição de interesses pessoais, eleitorais, partidários sobre os interesses do Clube.
Em todos os níveis.
O texto do Paulão - irrelevante ter havido ghost writer - expressa o sentimento puro da volta às origens.

SEM TOMAR PARTIDO ENTRE FACÇÕES, no sentimento, achamos que vale a pena ser lido o COMUNICADO DO PAULÃO.

- Este espaço, localizado atrás da goleira da Carlos Barbosa, junto ao Portão 18, denominado Geral, acabou reunindo pessoas das mais variadas, com apenas uma coisa a uni-las: o amor ao Grêmio, que os permitia qualquer sacrifício.

- Surgia a Banda Louca do Paulão. Iniciava-se a Revolução. E só podia ser no Rio Grande do Sul e só podia surgir no lado azul deste estado.

- Havia Paulão perdido o controle de sua criatura? Sim, Paulão havia se tornado um Chefe de Estado, porém não de Governo.

- E os que agora governavam, já não tinham os mesmos ideais que o Velho Capo, agora acusado de ser um velho louco e ultrapassado. Paulão não acreditava que a sua criatura, à sua Ode ao Grêmio, havia se tornado um monstro de totalitarismo e barbárie.

- O Stalinismo havia tomado conta das arquibancadas do Monumental.

- Porém, ao anunciar seu exílio, descobre não estar sozinho, é quando o encanto da cegueira se esvai do corpo do Velho Rei e ele percebe que é hora de reensinar os antigos valores.

...para que a Revolução pelo sentimento volte a acontecer, pelo Grêmio e para o Grêmio.

- Só queremos torcer!


[PAULÃO] - Comunicado aos Gremistas
Em meados de 2001, pressionado pelo esvaziamento dos estádios de futebol, causado pela campanha de certos veículos de comunicação, que afirmavam ser mais barato e seguro assistir aos jogos de seu time em casa, no conforto do lar, campanha esta realizada por uma questão de mercado, apenas pela necessidade de aquecer as vendas de seus pacotes de pay-per-view, sob pena da falência de seus sistemas de tv a cabo, visto que o público-alvo, os torcedores de alto e médio-alto poder aquisitivo, ainda freqüentavam cadeiras e camarotes. Além, é claro, da caça às bruxas realizada pelos órgãos de segurança sobre as torcidas organizadas, que afastava os torcedores de classes média-baixa e baixa das arquibancadas, a direção do Grêmio resolve criar um espaço para o torcedor menos abastado, a preços acessíveis a todos que se arriscassem a ficar se acotovelando para comprar um ingresso. Este espaço, localizado atrás da goleira da Carlos Barbosa, junto ao Portão 18, denominado Geral, acabou reunindo pessoas das mais variadas, com apenas uma coisa a uni-las: o amor ao Grêmio, que os permitia qualquer sacrifício.

Dentre estas pessoas, havia uma em especial, uma espécie de Joquim das arquibancadas, um visionário para alguns, um utópico para outros e uma lenda para muitos. À ele se juntaram mais alguns borrachos, todos identificados com a cultura que construiu o Grêmio, essa cultura do amor visceral, desmedido, incontrolável pelo Rio Grande e sua gente, sua terra e suas tradições. Pessoas que se uniram pelo alento ao Grêmio, pelo prazer de um bom trago e pela honra à amizade. Surgia a Banda Louca do Paulão. Iniciava-se a Revolução. E só podia ser no Rio Grande do Sul e só podia surgir no lado azul deste estado.

Essa Revolução, incompreendida e combatida no início, alcunhado das mais diferentes formas: Borrachos da Geral, Alma Castelhana, Argentinos, Renegados, entre outros. O nome poderia mudar, de acordo com a ótica do observador, mas todos percebiam uma coisa, que o sentimento transbordava aquele espaço. Ser inadptado é fazer a Revolução contra o sistema e lutar contra o sistema é Quixotesco. Mas, pedir ao gaúcho que abandone seus ideais é arranjar inimizade. E mais uma vez, contra tudo e contra todos, a Revolução aconteceu. E surgiu a primeira Barra do Brasil. E ela invadiu o país, começando, lógico, por aqueles que vivem de imitar.

Mas, o que o Grande Capo sempre deixou claro, é que o torcedor gremista devia respeitar a tudo e à todos, sempre carregando os ideais de Liberdade, Igualdade e Humanidade. Ou seja, respeitando as diferenças e não confundindo, como ele mesmo sempre dizia “hooliganismo com maloqueirismo”.

Porém, em algum ponto, a Revolução estagnou e foi cooptada pelo sistema. Ah, o vil e impiedoso sistema! Ele não poupa ninguém. Gessinger já havia alertado que o Pop não poupa ninguém. E a Geral havia se tornado pop. Havia Paulão perdido o controle de sua criatura? Sim, Paulão havia se tornado um Chefe de Estado, porém não de Governo. E os que agora governavam, já não tinham os mesmos ideais que o Velho Capo, agora acusado de ser um velho louco e ultrapassado. Paulão não acreditava que a sua criatura, à sua Ode ao Grêmio, havia se tornado um monstro de totalitarismo e barbárie. O Stalinismo havia tomado conta das arquibancadas do Monumental. À medida que o monstro se robustecia, alimentado pelo Ego de alguns, os que acreditavam no velho ideal se exilavam, não acreditando que a Revolução havia fracassado e que o Velho Rei estava cego.

Muitos alertavam aos que estavam no comando, que algo estava errado e que o sentimento estava sendo mutilado no Templo Imortal. Estes eram rechaçados e tratados como leprosos, suas vozes não eram ouvidas e seus apelos eram ignorados. E o Rei Cego à tudo assistia calado. Ele não se ergueria contra a intolerância e a barbárie?! Havia ele desistido de seus ideais?! Ele, que lutou tanto pelo Grêmio, deixaria que sua criação virasse maior do que o motivo dela existir?! Muitos pensaram isso!

Porém, nada pode ser maior que o Imortal!

Então, o Velho Capo resolve abandonar a sua criação, não reconhecendo mais nela a beleza de outrora. A Geral havia se tornado a antítese dela mesma. Acreditando que a Revolução morrera, o Velho Mestre parte em exílio. Porém, ao anunciar seu exílio, descobre não estar sozinho, é quando o encanto da cegueira se esvai do corpo do Velho Rei e ele percebe que é hora de reensinar os antigos valores. Revigorado, Paulão decide que ainda é tempo de escrever mais um capítulo desta história e parte em mais uma jornada, lado a lado com velhos companheiros, como as Geraldinas e outros que sempre o apoiaram, como os integrantes da Máfia Tricolor, novamente todos estes com um único ideal: apenas torcer pelo Grêmio!

Jamais o Velho Criador imaginaria que sua criação se voltaria contra ele e no fatídico dia 16 de novembro de 2008, a barbárie tomou conta das imediações do Monumental. E tiros foram disparados, seres humanos foram feridos e o último resquício de dignidade da outrora bela criatura de Paulão se extinguira.

Porém, o espírito do povo de Paulão se fortaleceu e o Velho Capo decidiu que era necessário deixar o sentimento se reencontrar com seu Templo, sob pena da intolerância dominar o Olímpico por completo. Sabendo que povo que não tem virtude, acaba por ser escravo, a Banda Louca do Paulão reencontra-se com seu velho lugar, sua velha história, seus velhos ensinamentos, enfim, a Velha Escola para que a Revolução pelo sentimento volte a acontecer, pelo Grêmio e para o Grêmio.

Só queremos torcer!

Um abraço aos irmãos gremistas,

Paulão

Comunidade GRÊMIO
http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=22731&tid=5304565797794993847

(recebido de um colaborador)

14 comentários:

Jorge disse...

Nunca vi o vitorioso da eleição dar "golpe".
Perderam a vergonha. Dizem qualquer coisa.

Josef disse...

"puntsch" é o perdedor assumir o poder.
Isso é stalinismo.
Hitlerismo.
mussolinismo

Marcelo Miller disse...

A melhor maneira de ver quando a pessoa não tem discurso, quando NÃO TEM RAZÃO, é quando começa a usar qualquer argumento, uns pueris, outros incongruentes, mas, enfim, argumentos engandor inconsistente.

Essa do "golpe" e de que "elegeram sem eu estar presente" é de uma ridicularia sem precedentes. O pior é que tem os fanáticos que se encoantam com essa bobajada.

Anônimo disse...

É isso ae rapazeada, a GERAL concerteza é a melhor torcida do Brasil, mas perdeu sua origem e pessoas boas como Paulão.
Esperamos que esta nova torcida traga para nós aquela geral quando começou, isso é o que todos aguardam.

Anônimo disse...

O GRÊMIO é maior que a torcida e não a torcida maior do que o GRÊMIO...a união disso é titulos...

Parabéns a Velha Escola...o que queremos é torcer...

Ivo disse...

O choro é Livre...
paulão não tem mais meu respeito... Que feio esse fiasco todo por não ganhar a eleição...

jana disse...

Caraca!!!!
Me emocionei com o texto, vcs estão de parabens, souberam dar valor a quem realmente merece!!

Parabens a Velha Escola !!!!

Borracho disse...

Ele criou a GERAL e emocionou mais da metade do estádio, imagina com os dois lados alentando do inicio ao fim.. vou ficar na parte descoberta por que eh capaz da superior cair eheheh.. parabéns Paulão vc eh o cara.. sempre vou na GERAL e contra o Aurora vou na Velha Escolha pra ver qual é se curtir vou sempre.. já temos a melhor torcida agora teremos as duas melhores.. só o Grêmio mesmo e a força dessa nação!!!!

Queremos a cooooooopa!!!!

Anônimo disse...

Soh queria dizer que apoio totalmente o Paulão, a Geral (e sempre fui na Geral) não é mais a mesma a muito tempo, hoje eh cheia de gente que vai lah soh pra dizer que estava na GERAL e n pra apoiar, a verdade eh que a torcida perdeu seu ideal, torcer pelo Gremio acima de tudo.

Se alguem aki tiver duvida sobre a mudança e a decadência da Geral nos ultimos anos, basta olha um video de 2006 da Geral e um de 2009.
A Geral de 2006 ainda cantava com o coração, ainda era humilde, ainda era incondicionalmente Grêmio na cabeça.

A Velha Escola é o novo lugar de quem faz parte do grupo que ainda canta de verdade embaixo das barras do portão 10, enquanto outros ficam parados, feito uns mangolões, soh pra dizer que foram na GERAL e fizeram avalanche pros amiguinhos.

Querem uma prova da perda da identidade??? Aquela bandeira gigante, a maior do Monumental, nunk deveria ter escrito a palavra GERAL, a maior bandeira dentro do Olimpico deveria trazer o nome do IMortal, a torcida nunk deveria ser mais importante do que o motivo da sua existência, isso deveria estar claro na cabça de cada um.. GRÊMIO.. o motivo da festa, motivo da cantoria, do trago e do incessante alento daquele que eh um Gremista embaixo das Barras.

Salve PAulão.

SALVE GRÊMIO COPEIRO E IMORTAL.

obs: O PAulão sempre foi contra o envolvimento da GERAL COM POLITICA.. para alguns que postaram merda aki.

Tricolor de Porto Alegre disse...

eh isso ae...

PORTÃO 18 EH PRA QUEM CANTA.

yuri silva disse...

As pessoas tem q ir pro monumental pra apoiar o Grêmio, e não pra brigar, quem quiser ir pro estádio pra brigar que fique em casa!

Junior disse...

a velha escola ta ai como tem de ser com trapos de todos os tipos cidades e sempre com o ideal de so torcer e ter em mente o nome e o amor pra gremio muinto mais massa cada um por o seu trapo do um so com o nome da torcida assim como tenhu visto seguido no portão 10. o espaço é de todos portão 18 por um unico ideal gremio copeiro e imortal!!!

henrique disse...

Sou gremista como qualquer um,nem mais nem menos, viajo 120 Km pra ver meu clube amado jogar e quando chego no monumental sou destratado por torcedores que se dizem dono do espaço(GERAL),por mim essa merda que só arruma confusão para o clube poderia sumir pois não lembra nada a verdadeira Geral de 2004, 2005 e 2006, a verdadeira banda louca de Paulão!
Avante velha guarda, avante Grêmio,pois na Geral o trago e o alento continuam, mas a amizade morreu faz tempo!

Anônimo disse...

Sou gremista como qualquer um,nem mais nem menos, viajo 120 Km pra ver meu clube amado jogar e quando chego no monumental sou destratado por torcedores que se dizem dono do espaço(GERAL),por mim essa merda que só arruma confusão para o clube poderia sumir pois não lembra nada a verdadeira Geral de 2004, 2005 e 2006, a verdadeira banda louca de Paulão!
Avante velha guarda, avante Grêmio,pois na Geral o trago e o alento continuam, mas a amizade morreu faz tempo!